Marcadores

12 setembro 2011

Timing: Disney, Warner e um pouco de história da Animação

Em uma das minhas doses diárias de Looney Tunes, tropecei com Rabbit Transit:



Produzido em 1947, dirigido por Friz Freleng, com trilha de Carl Stalling e vozes de Mel Blanc (e que desenho não tem a voz dele?!)...
Só por ter esses caras juntos já valeria a pena parar pra assistir. Mas não é apenas isso. Rabbit Transit lembrou-me The Tortoise and the Hare de Walt Disney - 1935



bem... e daí?!
É o seguinte: Max Hare, o coelho em The Tortoise and the Hare, serviu como base para a personalidade do Pernalonga. O próprio Tex Avery admitiu o ‘empréstimo’. Também é verdade que do design inicial, proposto por Cal Dalton, até o Pernalonga que ficou imortalizado, design de Robert McKimson; é visível uma aproximação gradual ao trabalho de Charles Thorson para Max Hare.


Penso que podemos admitir, sem nenhum demérito, que Max Hare é o Pernalonga ao estilo Disney e Pernalonga é a versão Warner Bross de Max Hare.
Cara! Admitindo isso e considerando que nos dois episódios o assunto é o mesmo – a antiga fábula de Esopo: A Lebre e a Tartaruga – compará-los é um bom exercício para entender o estilo de cada estúdio e uma verdadeira aula de Timing.

Primeiro, sobre velocidade
Note como tudo é mais lento em The Tortoise and the Hare. Não há economia de tempo. Cada ação possui muitos holds e os planos são longos. Para a platéia atual, chega a ser amarrado demais. Já captamos determinada ação e o plano continua além do tempo necessário. Ficamos impacientes. Esperamos demais até que o próximo corte aconteça. Em alguns momentos, chegamos a antecipar a piada.

Em Rabbit Transit as coisas são mais rápidas - talvez não tanto como nos padrões atuais – mas é mais fácil (e prazeroso) acompanhar a ação. Cada plano começa com a ação o mais tarde e termina o mais cedo possível. A ação dos personagens dentro do plano é econômica e frenética. São raros os momentos que antecipamos uma piada.

Segundo, sobre contraste
Em The Tortoise and the Hare, a velocidade é mais ou menos constante. Desde a cena de abertura, com os animais se preparando para assistir a corrida, até os momentos de maior ação, não temos uma variação no andamento geral da animação. Não há surpresas nem sobressaltos na velocidade.
O uso mais audaciosos do timing acontece a partir de 7:21. Quando Hare percebe que irá perder a corrida e põe-se a correr desesperadamente. Os cortes são um pouco mais rápidos do que o andamento geral.
Aqui tem uma coisa bem legal! Note a movimentação da ‘câmera’ entre 7:38 e 7:47. Hare corre e se aproxima do canto esquerdo da tela. A Tartaruga, mesmo com seus esforços, faz o movimento contrário, aproxima-se do canto direto. O movimento da câmera acontece com o timing ideal para cada personagem e cada ação. Os planos são repetidos duas vezes e o resultado é o momento mais interessante do episódio.

Em Rabbit Transit, como em qualquer episódio Lonney Tunes, o timing é extremamente explorado. Note como a tranquila e lenta cena de abertura contrasta com as rápidas cenas da corrida. Note também como as gags vão ficando mais rápidas conforme aproximamos do final do episódio.
Mas o legal mesmo está no contraste de timing entre os personagens. Pernalonga (nesse episódio) movimenta-se de forma expansiva e rápida se comparado à Tartaruga, sempre lenta e econômica.
Cara... dá pra aprender muita coisa observando como esses antigos mestres trabalhavam!

Se você é do tipo que procura mensagens subliminares, censura trechos de desenhos animados e julga-se fiscal da moralidade aléia; outra abordagem para a comparação que talvez você prefira é a diferença no senso moral de Disney e Warner. Talvez valha a pena gastar um tempo fazendo isso... Nesse caso, sugiro que você comece por Tortoise Wins by a Hare de 1943. Preste a atenção no encerramento do episódio :)




Agora, voltando para as pessoas inteligentes, talvez seja interessante dizer que esse episódio é a estréia o design de Robert McKimson para o Pernalonga.
Esse é o primeiro episódio do Pernalonga com a aparência que conhecemos hoje.
Divirta-se!

Nenhum comentário: